sábado, 13 de outubro de 2007

NA ESQUINA DO VENTO, in Sonetos de Amor Ilhéu, de Cristóvão de Aguiar, Coimbra - 1992.



na esquina do vento


Minha casa plantaste na esquina do vento
onde as marés afinam suas melodias
desde então te respiro e ganho meu sustento
caiando de palavras o muro dos dias.

entre o meu e o teu corpo um intervalo lento
que a baixa-mar escolta bem de penedias.
redobra o meu querer-te quanto mais te invento
e só depois me vejo de órbitas vazias.

velha pecha esta minha de mergulhar
nos confins do teu nome para te procurar
e a mim também por rumos que eu já nem sabia.

à minha conta trouxe o mar dentro em mim
vazei-o no meu búzio no dia em que vim
- ouço o marulhar não lhe cheiro a maresia.

(Cristóvão de Aguiar, in Sonetos de Amor Ilhéu, Coimbra 1992)

15 comentários:

mevudugaga disse...

Hi Lapa (:
Thanks for your comment.it is really nice blog.
see you.
mevu

Rafeiro Perfumado disse...

Curioso encontrar alguém que tem um carinho tão grande pelas ilhas e mora em Coimbra, minha terra...

Um abraço e obrigado pela visita.

Mateso disse...

"..trouxe o mar dentro em mim
vazei-o no meu búzio no dia em que vim..."
trazer o mar para a vida...que lindo!
Bj.

valeria disse...

if you said so, but i was wandering what happens when you dye your hair blonde if you are ugly?

just to know.. :)

Laura disse...

Mais um sagitariano como eu...dia? o ano nem interessa ehhhhhh... ( o meu 51 dezembro)
Só entendo português e assim?...
Beijinho na mesma...

Sol da meia noite disse...

Obrigada pela visita.

Lindo cantinho!
Olha, nunca percas esse búzio...

Deixo beijos de Sol!!!

Inenarrabile disse...

Lapa he leydo su comentario y no estoy de acuerdo con lo que me ha dicho.

Existen tres mujeres diferentes y también existo yo, diferente de las demàs!

Rui Caetano disse...

As ilhas atraem, o viver rodeado por mar traz-nos outras utopias, diversos sonhos, novas ansiedades e é interessante alguém que não sente no ar a maresia que se respira de uma ilha se interesse tanto pela nossa literatura.

paula disse...

Bonito:)

david santos disse...

"e só depois me vejo de órbitas vazias."
Espectacular, meu amigo!
Ainda há quem saiba fazer bons sonetos.
Parabéns.

Bom fim-de-semana

Luli disse...

El portugues, el idioma mas dulce, mas romántico, mas hermoso, en fín me encanta.

Besos

Yareli disse...

Pues a mí me gusta el español...aunque me derrito como casi toda la gente ante "garota da ipanema"

SMA disse...

Thank you for your visit. I only can read what you translate in English. I'm sorry! Others, I guess from the melody of your wonderful language which is similar , in a way, with mine.
I like the design of your blog, I feel it brings a lot of energy , power and sensibility in the same time.
Even I'm agree with "traduttore traditore" I'm looking foreword to read your poems in English.
Thank you, Sma

Lapa disse...

Rui Caetano:

Concordo consigo em relação aos sentimentos ilhéus que, pelo que observo, são universais.
Constato que o Rui é madeirense e se identifica, também, com os sentimentos do ilhéu Cristóvão de Aguiar.

RAFAEL REYES disse...

Deijaste un comentario numho dos meus blogs. Nao percibim muito bem o que me querías dizer, as minhas desculpas.
Desculpas tambem pelo meu portuñol.
Saúdos ao Mondego e a cabra da torre.
Até já.

Cyrano de Bergerac

Cyrano de Bergerac
Eugénio Macedo - 1995

TANTO MAR

A Cristóvão de Aguiar, junto
do qual este poema começou a nascer.

Atlântico até onde chega o olhar.
E o resto é lava
e flores.
Não há palavra
com tanto mar
como a palavra Açores.

Manuel Alegre
Pico 27.07.2006