domingo, 21 de junho de 2009

"Relação de Bordo", Bristol, Rhode Island, 1973. My pre elementary school lunch box, chosen by me.

Coimbra, 13 de Janeiro de 1973.





















"Às 14h40m levantou voo o avião que levou o meu filho Zé para a América. Para ele, viajar para o outro lado do mar ou para casa do vizinho, não existe qualquer diferença. Quando, às 13h10m, os altifalantes chamaram os passageiros para bordo, senti qualquer coisa a despedaçar-se dentro de mim e não consegui reter as lágrimas. Ele, impávido, correu de mão dada com o tio Francisco para a porta de embarque e acenava com a outra mãozita, firme, como que aconselhando-me calma e coragem. Durante a viagem de Coimbra para Lisboa, falou pouco, mas, de vez em quando, saía-se com uma das suas. De uma vez disparou, a experimentar como iam os ânimos: Se não quiser ir, o que é que acontece?. Tomava pulso à possível reacção dos pais e salvaguardava a sua hipotética desistência à hora da partida. Esperei que o avião descolasse. Uma hora mais tarde, fez-se à pista e, pouco depois, ergueu-se no ar. Já no alto, sempre a subir, tive a impressão de que uma parte de mim se havia desprendido do meu corpo e corria, louca, pelo céu fora, em cata de qualquer coisa de mais puro, mais livre, menos cinzento do que este bloco de nuvens que se vem aproximando com cara chapada de chuva e de tristeza."

Cristóvão de Aguiar, in Relação de Bordo 1964-1988.

5 comentários:

Anónimo disse...

Já é História dos EUA.

Anónimo disse...

É muito à frente, lapa.

Anónimo disse...

Deves ter umas boas estórias para contar, lapa.

Lapa disse...

Sem dúvida!

Anónimo disse...

Belo texto.

Cyrano de Bergerac

Cyrano de Bergerac
Eugénio Macedo - 1995

TANTO MAR

A Cristóvão de Aguiar, junto
do qual este poema começou a nascer.

Atlântico até onde chega o olhar.
E o resto é lava
e flores.
Não há palavra
com tanto mar
como a palavra Açores.

Manuel Alegre
Pico 27.07.2006