terça-feira, 29 de junho de 2010

Abri o Diário de Coimbra e na necrologia noticiam a morte de um dos maiores poetas que conheci pessoalmente: João Damasceno (Albuquerque) 55 anos, professor de história. Ainda ontem o tinha recitado. Espero que Coimbra lhe preste a devida e justa homenagem. "Em terra de cegos/ quem tem um olho é rei/ e quem tem dois/ é frequentemente abatido... ".

O Poeta João Damasceno, 1955 - 2010, publicou, pelo menos: Corpo Cru, 1983; Alma Fria, Sketches Policiários, 1985; Cinco Suicídios, 1986, 300 exemplares; Retrato do Artista Quando Jovem aos Pés da Rainha Santa Isabel; 1989. Fenda Edições.


3 comentários:

Lapa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anónimo disse...

É magnífica, digo eu.

Cris in blog disse...

Boa-noite!Sou uma professora de Português e literatura aposentada,sou descendente de português por parte do meu avô materno (José Ferreira Santos) entrei no seu blog por acaso e gostei dos comentários tecidos aí. Aqui no Brasil ainda não vi nada sobre o poeta João Damasceno, quanto a José Saramago sim, é amplamente difundido assim como suas obras. Gostaria, se possível, q vc publicasse no seu blog uma poesia deste autor tão conhecido em Portugal.Se possível visite meu blog de literatura, gosto muito de escrever.

Cyrano de Bergerac

Cyrano de Bergerac
Eugénio Macedo - 1995

TANTO MAR

A Cristóvão de Aguiar, junto
do qual este poema começou a nascer.

Atlântico até onde chega o olhar.
E o resto é lava
e flores.
Não há palavra
com tanto mar
como a palavra Açores.

Manuel Alegre
Pico 27.07.2006