quarta-feira, 19 de dezembro de 2007

Soito-Sabugal, 28 de Dezembro de 1970, Relação de Bordo, 1964-1988. Esgotado

" Aqui vou de abalada com os olhos roídos de neve e o remorso de não querer ficar.
Ficou o Loto com as suas aventuras de contrabando, a pedir uma tela ou um livro. Deixei-o falar à vontade. E foi tal a violência da descrição, que me pus com ele a rastejar ao som dos primeiros tiros dos carabineiros. Fiquei molhado até às virilhas na travessia do Côa, enquanto os cavalos tingiam a neve de sangue.

Estação da Guarda, mesmo dia, um pouco mais tarde-

Este frio mata as almas - diz uma mulherzinha aqui ao meu lado, enquanto bate com os pés no cimento do apeadeiro. As pessoas que vejo dão-me a impressão de corpos sem alma. Esta enorme lâmina que cai verticalmente de um céu alucinado corta tudo rente, até o comboio que está parado na linha em frente e se destina a Hendaia e parte dentro de momentos. O comboio é longo, escuro e triste. Nem homens nem mulheres se dependuram nas janelas. É um comboio ao contrário. O chefe da estação apita, mas não tem culpa. A lâmina dá mais uma guinada e apanha os olhos daquela mulher que chora. Da carruagem acena uma mão tímida, sem coragem. No apeadeiro, a mão e o lenço da mulher responden, sem coragem também."


Cristóvão de Aguiar in Relação de Bordo 1964-1988, pags 108 e 109.

1 comentário:

KNITTING ART disse...

Feliz Natal de Turkiye :)

Cyrano de Bergerac

Cyrano de Bergerac
Eugénio Macedo - 1995

TANTO MAR

A Cristóvão de Aguiar, junto
do qual este poema começou a nascer.

Atlântico até onde chega o olhar.
E o resto é lava
e flores.
Não há palavra
com tanto mar
como a palavra Açores.

Manuel Alegre
Pico 27.07.2006